PUBLICIDADE

São Paulo e Rio de Janeiro vivem surto de Hepatite A

No entanto, cada um dos Estados apresenta uma causa diferente para o aumento nos casos de contaminação

Duas das principais capitais da região Sudeste: São Paulo e Rio de Janeiro vem enfrentando um surto de Hepatite A, uma infecção no fígado causada por um vírus, o HAV.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No Rio de Janeiro, a região em que o quadro é mais delicado é na comunidade do Vidigal, zona sul. O local registrou 92 casos de suspeita de Hepatite A, dos quais 75 já foram confirmados pelo Centro Municipal de Saúde do Vidigal.

De acordo com a Prefeitura, suspeita-se que a causa do surto seja por contaminação na água. Na última segunda-feira, agentes da prefeitura coletaram água em diversos pontos da comunidade. A Fiocruz também coletou água na região e encontrou o vírus da doença em três dos dez pontos analisados.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Como recomendação de segurança, a prefeitura do Rio de Janeiro orientou que os moradores do Vidigal que não consumam água de poços e lavem os alimentos com água fervida. Além disso, a prefeitura também recomendou a vacinação de crianças contra a doença e existem negociações com o Ministério da Saúde para que adolescentes e jovens adultos também sejam vacinados. Entre os casos já confirmados, a maioria é de homens com 20 a 30 anos.

Doença igual, causa diferente

A cidade de São Paulo teve um aumento de 960% nos números de hepatite A no ano de 2017. Para se ter uma ideia, no ano de 2016, entre os meses de janeiro e outubro a cidade registrou 57 casos sem nenhum óbito. No mesmo período do ano passado houve 694 novos casos com duas mortes

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No entanto, diferentemente do Rio de Janeiro em que, de acordo com a prefeitura, suspeita-se que a causa do surto seja a água contaminada, em São Paulo, o motivo se deu por contato sexual sem proteção. A maioria das pessoas afetadas são homens entre 18 e 39 anos.

A hepatite A não é considerada uma doença sexualmente transmissível, pois sua contaminação ocorre pelo contato com material fecal, portanto somente em casos de relação anal sem proteção pode haver contaminação.

Como se dá a transmissão da hepatite A

A transmissão da hepatite A ocorre pela ingestão de água ou alimentos contaminados com matéria fecal. A pessoa infectada elimina o vírus nas fezes, podendo contaminar a água onde não existem condições adequadas de saneamento básico, as pessoas que tomarem essa água contaminada ou ingerirem alimentos crus lavados com essa água, podem se infectar, assim como ao comer marisco ou frutos do mar crus, de água poluída com esgoto.

Também é possível ocorrer a contaminação quando alguém contaminado vai ao banheiro, não higieniza as mãos adequadamente e depois manipula alimentos. É frequente, inclusive, a transmissão de hepatite A entre crianças, que muitas vezes não lavam bem as mãos, pegam brinquedos que outras crianças vão interagir, colocando-os até na boca, o que pode levar à ingestão do vírus.

Além disso, também é possível haver contaminação por um contato intimo com a pessoa que está infectada. No surto da doença que se espalhou no Estado de São Paulo, os principais afetados foram os homens que tiveram relações sexuais com outros homens, de acordo com a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

É importante ressaltar que a transmissão do vírus pode ocorrer mesmo usando medidas preventivas, como o uso de preservativos, principalmente devido ao contato fecal-oral durante a relação sexual.

Como prevenir a hepatite A

O melhor método de prevenção contra hepatite A é por meio da vacina. No entanto, existem outras formas de se proteger da contaminação pelo vírus: